Quem é esse que até os ventos obedecessem?

INTRODUÇÃO

Quem é esse? Essa é uma das perguntas mais habituais que fazemos a alguém quando não conhecemos uma outra pessoa ou quando o que essa pessoa faz chama a nossa atenção.

Nos Evangelhos vemos as pessoas fazendo essa pergunta sobre Jesus. Quem é esse? Quem é esse Jesus? Quem é esse que acalma os ventos? Quem é esse que cura no sábado? Quem é esse que come com os pecadores?

Durante esse mês de março, vamos refletir sobre essas perguntas. Pessoas que não conheciam Jesus, mas que ficaram impressionadas com o seu poder. Pessoas que não conheciam a Jesus, mas que fizeram essa pergunta diante das suas atitudes.

Abra a sua bíblia no livro de Marcos 4.35-41

Naquele dia, ao anoitecer, disse ele aos seus discípulos: “Vamos atravessar para o outro lado”.

Deixando a multidão, eles o levaram no barco, assim como estava. Outros barcos também o acompanhavam.

Levantou-se um forte vendaval, e as ondas se lançavam sobre o barco, de forma que este foi se enchendo de água.

Jesus estava na popa, dormindo com a cabeça sobre um travesseiro. Os discípulos o acordaram e clamaram: “Mestre, não te importas que morramos? “

Ele se levantou, repreendeu o vento e disse ao mar: “Aquiete-se! Acalme-se! ” O vento se aquietou, e fez-se completa bonança.

Então perguntou aos seus discípulos: “Por que vocês estão com tanto medo? Ainda não têm fé? “

Eles estavam apavorados e perguntavam uns aos outros: “Quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem? “

Deus é bom, sempre bom. Às vezes, porém, não conseguimos ver a bondade de Deus nas circunstâncias da vida, mas, mesmo assim, Deus continua sendo sempre bom.

Havia um súdito que dizia sempre para o rei que Deus é bom. Um dia saíram para caçar e um animal feroz atacou o rei e ele perdeu o dedo mínimo. O súdito ainda lhe disse: Deus é bom. O rei mandou prendê-lo. Noutra caçada o rei foi capturado por índios antropófagos. Na hora do sacrifício o cacique percebeu que ele era imperfeito, porque lhe faltava um dedo. O rei foi solto e chegou para o súdito e disse-lhe: é verdade, Deus é bom. Mas por que então, eu lhe mandei para a prisão? O súdito, respondeu: porque se estivesse contigo eu seria sacrificado.

As tempestades da vida não anulam a bondade de Deus. Não haveria o arco-íris sem a tempestade, nem o dom das lágrimas sem a dor. Só conseguimos enxergar a majestade dos montes quando estamos no vale. Só enxergamos o brilho das estrelas quando a noite está trevosa É das profundezas da nossa angústia que nos erguemos para as maiores conquistas da vida.

 

Os discípulos foram surpreendidos pela tempestade

Jesus passou o dia todo com a multidão ensinando-os à beira-mar sobre o Reino de Deus. Homens, mulheres, crianças, jovens, idosos todos ouvindo os ensinamentos do Mestre. Um dia de aprendizado.

Junto com Jesus as horas passam rápido demais, chega o final da tarde, e Jesus chama os seus discípulos para entrarem no barco e passarem para a outra margem. Jesus quer ir para a região de Gadara. Em Gadara vive um homem possesso.

O dia foi puxado pra Jesus, ele estava em busca de descanso. Enquanto atravessam o mar, Jesus cansado da rotina pesada do seu dia, dormiu.

De repente ventos uivantes começam a soprar sobre o barco, ondas furiosas começam a bater contra o casco do barco. Uma tempestade terrível surpreendeu o barco onde eles estavam, enchendo d’água o barco.

Alguns dos discípulos, são pescadores experientes, homens acostumados com tempestades e por mais que eles tentem controlar o barco diante da tempestade eles não conseguem fazer nada.

Diante da tempestade o coração desses homens fica acelerado, a cada onda que bate no barco, os seus pensamentos sobre a sua morte e o seu fim atormentam esses homens. Esses homens ficam apavorados e quando vão ao encontro de Jesus eles acham Jesus dormindo.

Depois de tentar resolver a situação com as suas forças, com as suas experiências e verem que não conseguiram nada, os discípulos ficam então desesperados com a situação, desesperados com a morte iminente, desesperados por ver que a situação saiu fora do controle, desperados por saber que sua força, sua experiência não é suficiente para controlar um barco em meio a uma tempestade.

Em meio a todo este tumulto, Jesus, verdadeiro homem como era, esgotado pelo trabalho duro do dia, estava dormindo profundamente, deitado na popa do barco, com a cabeça sobre um banco baixo ou um parapeito, conhecido como “travesseiro”, que os timoneiros usavam para repousar quando o navio seguia o leme sem dificuldade.[1]

A única solução é procurar por Jesus, que está no barco com eles. Eles então acordam e clamam a Jesus: “Mestre, não te importas que morramos?

Hoje os discípulos de Jesus são homens cheios de medo. Clamando por Jesus para salvá-los da morte. Diante do desespero e da angústia a nós somente basta clamar a Jesus.

Nós somos surpreendidos pelas tempestades

Todos nós estamos sujeitos a enfrentar tempestades em nossas vidas. Situações que fogem do nosso controle. Assim como com os discípulos foram apanhados de surpresa com a tempestade nós também enfrentamos algumas tempestades que nos pegam de surpresa.

Enfrentamos a tempestade do desemprego, da crise financeira, do divórcio, do casamento que está de mal à pior, do diagnóstico do médico, da saúde, do relacionamento com os filhos, com a família. E por aí vai.

Essas tempestades causam em nós medo, desespero e apequena a nossa fé. Diante da tempestade, do barco se enchendo de água, os discípulos, que viram vários milagres de Jesus ao longo do dia, ficaram cheios de medo. Nós vemos a ação de Deus em nossas vidas e mesmo assim, diante de situações e notícias que não são favoráveis a nós, notícias que vem de maneira contrária ao que nós esperamos, além do desespero, perdemos, abandonamos ou diminuímos a nossa fé. Assim como os discípulos tentaram controlar o barco com as suas forças e com as suas experiências, nós também muitas vezes tentamos enfrentar as tempestades da nossa maneira.

O problema é que a tempestade algumas vezes vem mais forte do que a gente imaginava. O problema é que a nossa avaliação sobre o problema foi superficial. O problema é que muitas vezes a tempestade traz mais água para o nosso barco do que a nossa capacidade de tirar a água do barco. Vemos as ondas batendo em nosso barco, vemos a água entrando e não conseguimos resolver a nossa situação.

Jesus se coloca com o Salvador. Jesus se coloca como o nosso bote salva-vidas. “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido”

Se hoje por causa das tempestades estamos cheios de medo. Precisamos clamar por Jesus para salvar-nos da morte. Diante do desespero e da angústia a nós somente basta clamar a Jesus. Mestre não te importa que morramos? (casamento, família, emprego, finanças, saúde, emoções)

Jesus acalma a tempestade que ataca os discípulos

Os discípulos clamaram a Jesus: “Mestre não te importa que morramos?”

Jesus se levanta e demonstra toda a sua autoridade, todo o seu poder sobre a tempestade. Ele repreende o vento e o mar e como em um passe de mágica a tempestade da lugar à bonança.

Ele repreendeu o vento, o mar e os discípulos, aqueles homens que estavam apavorados com a fúria dos ventos ficaram maravilhados diante do seu milagre.

Jesus não pede ao vento para mudar sua atitude, mas ele ordena ao vento que fique quieto. O vento obedece. Isto prova quem Jesus é.

E os discípulos, cheios de medo, diziam uns aos outros: – Que homem é este que manda até no vento e nas ondas?!Os discípulos eram homens que viviam com Jesus, andavam com Jesus, ouviam Jesus, viram os milagres de Jesus, mas a sua fé não estava em Jesus. Os discípulos são homens que precisam crescer no conhecimento de Deus.

Os discípulos pensaram que seria o fim deles durante a tempestade, além de acusarem Jesus de não estar se importando com eles.

O salmo 89:9 diz: “Tu dominas o revolto mar; quando se agigantam as suas ondas, tu as acalmas.

Os discípulos veem então que Jesus é o Deus poderoso, que Jesus tem poder sobre toda e qualquer tempestade que ameace o seu barco, os discípulos agora sabem que com Jesus, eles não têm o direito de temer as tempestades, eles têm que ter fé. Com Jesus eles têm a certeza de estarem seguros, de que chegarão salvos ao seu destino e de que Jesus repreenderá as tempestades que se levantam sobre suas vidas.

Diante do poder de Jesus demonstrado nas tempestades, os discípulos de Jesus, que são homens cheios de medo. Clamando por Jesus para salvá-los da morte. Eles aprendem que diante do desespero e da angústia somente basta clamar a Jesus.

Jesus acalma a tempestade das nossas vidas

Quando os discípulos se deram conta da presença de Jesus com eles a tempestade perdeu seu poder. Quando souberam que Ele estava ali, a tempestade se transformou em calmaria, seus corações desfrutaram de uma paz sem medo. Viajar com Jesus é viajar em paz, em face das possíveis tempestades. Não se trata de algo que pode ter ocorrido uma vez no passado e não voltará a acontecer; é algo que ainda acontece e que nos pode acontecer .

Qual o ser humano, que não teme a morte? Jesus ataca esta questão de frente. Por que medo? Qual é a solução para o medo? Jesus está em nosso barco? Se ele está, então nossos adversários serão vencidos. Então tanto os inimigos do corpo e da alma serão derrotados. Pela fé temos a certeza de que sempre estamos acompanhados por Deus.

Na presença de Jesus podemos gozar de paz até em face das tempestades mais terríveis da vida[2]

Jesus nos dá paz nas tempestades da dor. Quando sobrevém a dor, como sem dúvida ela virá, Ele nos consola com a glória da vida eterna. Transforma a sombra da morte na glória de nossa visão de uma vida além da morte. Fala-nos do amor de Deus.

Há uma antiga história que conta de um jardineiro que tinha uma flor que queria muito. Um dia foi a seu jardim e viu que essa flor tinha desaparecido. Zangou-se muito, ficou irado e de sua boca saíam protestos de grosso calibre. Na cegueira de sua irritação não percebeu que o dono do jardim se aproximava e descarregou sobre ele toda sua fúria. “Não proteste tanto“, disse-lhe o dono, “eu cortei essa flor para tê-la junto a mim.”

Na tempestade da dor Jesus nos diz que nossos seres amados que morreram estão junto a Deus, e nos dá a certeza de que algum dia voltaremos a nos encontrar com aqueles a quem perdemos há algum tempo.

Jesus nos dá paz quando os problemas da vida nos envolvem nas tempestades da dúvida, da tensão e da incerteza. Há momentos quando não sabemos o que fazer, quando estamos em uma encruzilhada e não podemos decidir por um caminho ou por outro. Então, é possível nos voltar para Jesus e lhe dizer: “Senhor, o que quer que eu faça?” Então nosso caminho se tornará claro e plano a nossa frente. A verdadeira tragédia não é que não saibamos o que fazer, mas que não saibamos nos submeter humildemente a seu guia. Perguntar qual é sua vontade e nos submeter a ela é o caminho mais direto para a verdadeira paz nos momentos mais difíceis.

Jesus nos dá paz nas tempestades da ansiedade, que podem atacar nossa vida em qualquer momento. O pior inimigo da paz é a preocupação, preocupação por nós mesmos, preocupação diante do futuro desconhecido, preocupação pelos que amamos. Mas Jesus nos fala de um Pai cuja mão jamais fará derramar lágrimas inúteis a seus filhos, e de cujo amor não apartará jamais a ninguém. Na tempestade da ansiedade Jesus nos traz a paz do amor de Deus.[3]

Como reagir diante das tempestades?

Veja esse vídeo

CONCLUSÃO

Deus é bom, sempre bom. Às vezes, porém, não conseguimos ver a bondade de Deus nas circunstâncias da vida, mas, mesmo assim, Deus continua sendo sempre bom. 

E os discípulos, cheios de medo, diziam uns aos outros: – Que homem é este que manda até no vento e nas ondas?!Os discípulos eram homens que viviam com Jesus, andavam com Jesus, ouviam Jesus, viram os milagres de Jesus, mas a sua fé não estava em Jesus. Os discípulos são homens que precisam crescer no conhecimento de Deus. Nós todos precisamos igualmente crescer no conhecimento de Deus. Continuamente precisamos lembrar que para Deus nada é impossível, “que todas as coisas trabalham juntas para o bem daqueles que amam a Deus

Qual é o seu barco nessa noite que está afundando? O barco pode ser sua vida, sua família, seu emprego, seu relacionamento, suas finanças. Se as ondas das tempestades têm jogado seu barco para um lado e para outro, eu queria te convidar a não olhar para a tempestade, mas olhar para o Mestre. A nossa escolha deve ser ter Jesus no barco. Muitos barcos estão afundando porque não tem Jesus.

Convide Jesus para navegar o seu barco, convide Jesus para acalmar a tempestade que assola Jesus para que você possa então declarar que ELE É GRANDE!

[1] Kretzmann, Marcos – Comentário Popular, [s.d.].

[2] William Barclay, Coment†rio Bíblico – Marcos (Barclay), [s.d.].

[3] William Barclay, Coment†rio Bíblico – Marcos (Barclay), [s.d.].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *