OTIMIZANDO O TEMPO PARA CUIDAR DOS SEUS DISCÍPULOS

tempo

Eu costumo chamar de célula extra, aqueles encontros de comunhão que naturalmente se programa baseado na afinidade dos integrantes. Logo no início, quando abri a minha célula, precisei me esforçar um pouco para me adequar a isso devido a minha rotina de trabalho e estudo.

Mas quando percebi o resultado que esses encontros proporcionam para a liderança, busquei em Deus uma maneira de conciliar tudo a fim de priorizar esses momentos em que podemos estar com nossos discípulos de forma mais informal para conhece-los melhor seja numa praia, numa sorveteria, um passeio ao shopping, cinema e etc.

Uma vez que Célula = Oração + Relacionamento, e boa parte do meu grupo não se conheciam antes da Prime, foi estritamente necessário admitir a “Célula Extra” como uma prioridade. Além do que, meu grupo era todo de novas convertidas e ao mesmo tempo que as meninas eram sedentas pela palavra, também estavam no processo de desligamento das práticas mundanas.

Bem diferente de mim que me converti aos 6 anos de idade, fui criada dentro da igreja e nunca me desviei. Algumas delas estavam se desapegando de vícios, todas com uma vida super badalada no mundo e querendo fazer algumas coisa na sexta-feira a noite para fugir dos convites indecentes propostos pelas antigas amizades.

Naquela época, eu estava gerenciando o departamento de Marketing de uma empresa de grande porte, ensinando na Escola Rhema, fazendo faculdade a distância, fazendo um curso de aperfeiçoamento duas vezes na semana, ensaiando para cantar todo final de semana na igreja e cumprindo algumas agendas extras do Celebrando a Verdade, incluindo um tempo para a célula semanalmente.

Mas sem saber como organizar tudo isso e afim de atender a necessidade das minhas discípulas! Por uma fase comecei a desejar que o dia tivesse 48h ou que eu tivesse mais energia para vencer o meu corpo e dormir menos, Rs! Calma! Tanto não é necessário se consideramos o que a palavra de Deus nos diz em Ec. 3: 1-8.

Em uma dinâmica aplicada na Célula, fiz minha própria versão para esse texto:

Há tempo para Amar, tempo para perdoar.
Há tempo para servir e tempo para descansar.
Há tempo para ser liderado e tempo para liderar.
Há tempo para plantar e tempo para colher. Tempo para mim e tempo para me doar. Há tempo para cantar e tempo para pregar. 
Há tempo para ensinar e tempo para admoestar. 
Há tempo para agir com seriedade e tempo para se divertir. Há tempo para ouvir e tempo para falar. Há tempo de calar, tempo para ficar só. Há tempo e graça para estar com uma multidão. Há tempo para aproveitar a solteirice e tempo para casar. 
Há tempo para IEVV Olinda, tempo para o Rhema, tempo para a Prime e tempo para o CV. 
Há tempo para trabalhar e tempo para folgar. Há tempo para estar com a família e tempo para os amigos. Há tempo para celebrar e tempo para clamar. 
Há tempo para sonhar e tempo para realizar. 
Há tempo para esperar! Há tempo para o Brasil e tempo para o Canadá! Há tempo para as outras nações também… Só não há tempo para desistir e para perder tempo com aquilo que me distrai da vontade de Deus para minha vida!

Pensar dessa forma, me livrou da sarjeta cultivada pelas pessoas que não sabem organizar suas prioridades e declaram o tempo todo: “Eu não tenho tempo!” Muitos não querem assumir a responsabilidade de liderar um grupo porque colocam a culpa na falta de tempo.

Quando colocamos Deus no controle de nossas vidas, Ele nos ensina como dividir as 24h que nos foi dada de forma que mesmo pressionados, não estaremos sobrecarregados, pois, no final de tudo, percebemos a graça e o favor Dele nos capacitando e nos renovando para cada tarefa!

Sendo assim, o Espírito Santo me deu uma dica valiosa para a fase inicial da minha célula que citei acima. Eu comecei a incluir as discípulas na minha rotina. Eu dei o primeiro passo de compartilhar com elas o meu dia-a-dia aproveitando cada oportunidade.

Ao invés de ficar reclamando da perda de tempo no trânsito ou em alguma fila, eu aproveitava para ligar para elas e assim podia acompanha-las através de uma conversa e também partilhar um pouco das minhas atividades afim de desenvolver afinidade.

Quando era necessário resolver alguma coisa externa do trabalho ou da igreja, eu as convidava para ir comigo e assim não apenas podia ouvi-las mas também ser ajudada, de forma que elas pensavam “10 mil vezes” antes de me cobrar ou me fazer exigências porque não apenas eu estava por dentro da vida delas, mas elas também estavam por dentro da minha vida e assim, como líder, eu ganhava tempo para mim e para elas.

Compartilhar as rotinas favoreceu o crescimento da confiança, logo, da amizade, e, chegou um tempo que manter essa estratégia passou de ser uma necessidade e tornou-se um prazer pelo simples desejo de estarmos juntas! Sempre que possível, combinamos algo extra, e, quando as agendas não se conciliam, entramos umas nas agendas das outras e assim nos ajudamos e aprendemos juntas a viver em grupo.

É certo que vez por outra, será necessário sacrificar alguma coisa para priorizar o que realmente importa. Se tudo for prioridade, então nada será prioridade. Por isso que mesmo numa rotina pesada, cheia de compromissos e circunstâncias, te aconselho a colocar em primeiro lugar o nosso Deus e os seus interesses, pois, no mundo “fast” em que vivemos, a melhor maneira para otimizarmos o nosso tempo é investir naquilo que é eterno!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *