Duas tentações sutis

Eis aqui estou, para fazer, ó Deus, a tua vontade. [Hebreus 10.7]

Jesus foi seriamente tentado no início de seu ministério público e no último dia de sua vida. Na primeira ocasião ele estava na parte mais alta do templo de Jerusalém e o Diabo lhe disse: “Se você é o Filho de Deus, jogue-se daqui” (Mt 4.6, NTLH). Na segunda ocasião ele estava no alto da cruz e os que iam passando por ele disseram-lhe: “Se você é mesmo o Filho de Deus, desça da cruz” (Mt 27.40, NTLH).

Em ambas, Jesus é convidado a descer da vontade do Pai para uma vontade estranha sugerida pela tentação simplesmente para provar sua divindade. O Diabo queria que ele se jogasse, que ele se atirasse, que ele pulasse lá de cima sem machucar o corpo, sem ter traumatismo craniano. A multidão queria que ele se livrasse dos cravos e das possíveis cordas que o prendiam ao madeiro e descesse ao chão. Ambos estavam em busca de espetáculos circenses, de um sensacionalismo barato — ao qual Jesus não se presta. Além disso, ele já havia se decidido pela cruz desde a eternidade (Hb 10.5-10) e desde a madrugada daquele dia (Mt 26.39).

— Graças a Deus por Jesus, que não pulou do templo nem desceu da cruz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *